segunda-feira, 9 de abril de 2012

Pediram-me que escrevesse sobre a reportagem que saiu sobre uma ceia que fazia referencia a “Ultima Ceia Cristã”. Bom... Gostaria de dizer, primeiro, que amo comer bem. E amo arte. Tenho a oportunidade de ter excelentes gourmets em minha vida e de trabalhar com artes visuais.
Comer é algo animal mas... Comer bem é algo sublime. Não sou boa cozinheira e sempre escutei que para cozinhar é preciso gostar. Disseram mais. É preciso amar. Certo que sei é que somente quem ama dá de comer a outro. Nosso instinto é matar a fome. Se sobra deixamos para os outros. Só vejo um momento entre os animais em que isso ocorre de forma diferente: para perpetuar a espécie. Só uma mãe é capaz de dar primeiro ao seu filhote e depois comer.
E, me perguntariam: o que tem a ver isso tudo com a “Ultima Ceia Cristã”. Deveria estar fazendo uma crítica a este evento como me foi pedido porém só me vem uma palavra na mente: AMOR. Parafraseando Renato Russo “...é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã. Pois, se você parar prá pensar... na verdade não há...”
Deus é muito mais que um belo manjar...  Ou uma bela pintura...No nosso limite, resta-nos a busca pelo sublime... Enquanto isso, amemos o mais que possível. Como dizia Madre Teresa de Calcutá: “É preciso amar até doer e aí não haverá mais dor mas somente amor.”
Lembrando um dos textos que lemos no sábado de aleluia: “Deus criou o mundo e viu que tudo era bom.”