quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Algmas exposições interessantes...

Na Caixa Econômica da Almirante Barroso, tem uma exposição muito interessante com releituras da obra de Portinari. São tapetes com texturas, tramas e cores variadas. Está muito boa ! Também, pode-se ver a exposição de Zaluar que é uma retrospectiva do seu trabalho. Além das muitas outras opções que o centro cultural oferece.
Já, na Caixa Econômica da Av. Chile, tem uma exposição sobre a Arte Decco no Rio de Janeiro. Ela é uma prévia de um evento internacional que irá ocorrer em agosto de 2011 no Brasil.

No Museu de Belas Artes temos uma retrospectiva de Ferreira Gullar que faz 80 anos. Alex Fleming apresenta, lá, também, seus trabalhos de mapas do Brasil com pedras.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Pinacoteca Universitária abriu inscrições para 2011

O Edital e a ficha de inscrição, estão no site da Pinacoteca ( www.ufal.br/pinacoteca ) e da Pró-Reitoria de Extensão (Proex) ( www.ufal.edu.br/portal/extensao ). Para mais informações:

Pinacoteca Universitária
Espaço Cultural Salomão de Barros Lima - Praça Visconde de Sinimbu, 206, 1º andar, Centro, Maceió/AL - CEP: 57020-720
Prazo para postagem das inscrições: 31/01/11
Site: www.ufal.br/pinacoteca
E-mail: pinaufal@gmail.com
Fone/fax: (82) 3221-7230
Fonte:http://www.alagoas24horas.com.br/

inscrições para exposições 2011 do Marco

As inscrições para exposições 2011 do Museu de Arte Contemporânea de MS estão abertas.
O Museu de Mato Grosso do Sul receberá propostas até 31 de janeiro de 2011. O regulamento de seleção esrá disponível no site www.fundacaodecultura.ms.gov.br.Os portfólios deverão ser enviados para a rua Antonio Maria Coelho, 6000, Parque das Nações Indígenas, CEP 79021-170, Campo Grande – MS. O resultado será divulgado no site em fevereiro de 2011. Outras informações pelo telefone (67) 3326-7449, de terça-feira à sexta-feira, das 13h às 17h.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Exposição: Elos da Lusofonia arte ancestral e tradicional

A exposição "Elos da Lusofonia arte ancestral e tradicional" do Museu histórico Nacional (RJ) com artistas de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Principe e, Timor Leste ficou muito interessante. Faltou, no entanto, maior divulgação. Fez um paralelo da arte "popular" com a arte "contemporânea" o que torna o tema africanidade ainda mais interessante.

Lembrou-me, bastante, a exposição do Pavilhão das culturas Brasileiras no Parque Ibirapuera. Nesta, época (julho de 2010), estavam, também, com a exposição "Tranfer" que misturou arte urbana com contemporânea. Estavam maravilhosas!

Bienal de arte de SP

Terminou o período de exposição da Bienal de 2010. Foi, realmente, muito ousada. Tiveram muito cuidado com tudo, desde a escolha de um curador da área de educação, cursos, visitas guiadas, material didático, etc. Apesar de todas as críticas que se poderia fazer, teve uma relevância, como talvez nunca antes tenha tido, tanto no campo artístico como no campo da educação. Muito se discutiu, se falou, se expôs, se apresentou, se divulgou... Enfim muito foi feito. Fiquei gratificada por ter participado de cursos e visitas a Bienal, de ter levado um pouco disso tudo para dentro e fora da sala de aula. E, de ter sido influenciada e, quem sabe, até ter influenciado alguém com o que vi e experimentei.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

A exposição de 20 anos de José Bechara no MAM do RJ está linda! Ele usa como tinta a oxidação dos metais como bronze, ferro, etc. É muito interessante. Além das pinturas, a exposição apresenta esculturas.

Saudades...

"Saudade eu tenho da candura, da lealdade,Do sentimento elevado que se via,Saudade das mãos dadas, da sobriedade,Do andar calmo que o mundo nos oferecia!..." Izabel Sadalla Grispino

domingo, 21 de novembro de 2010

Política e vida

Li, estes dias, uma repórter comentando que nos blogs não se fala de política, de greve etc. Pensando nisso é que resolvi escrever.

O que é política? Nossa atual Bienal de arte tem como tema a política. Mas, o que é falar de política?

Seria criticar os políticos, as pessoas públicas? (Isso sai nas manchetes!)

Ou questionar este mundo falando daquilo que não se fala mais pois é retrógrado... Deus, fé, razão e emoção, família, valores etc.

Considero política como sinônimo de vida. Faço política todo o dia e durante todo o tempo. Não me interessa falar de greve mas me interessa fazer quando achar necessário. Sou do princípio de poucas palavras. Afinal, precisamos, hoje, não de pessoas que falem pois disso o mundo está cheio. Precisamos fazer. Viver aquilo que acreditamos.
beijos...

sábado, 31 de julho de 2010

Inscrições para o MAC Goiás

fonte: http://www.noticiasdegoias.go.gov.br/
Cultura - 23/07/2010 - 12:00:00

Agepel inscreve para exposições no MAC

Até o dia 3 de agosto, a Agepel recebe inscrições para a seleção de exposições no Museu de Arte Contemporânea de Goiás - MAC, de artistas ou grupos brasileiros ou estrangeiros. As mostras serão realizadas nas Salas Samuel Costa e L, no segundo semestre deste ano. As inscrições devem ser feitas pessoalmente ou pelo Correio na sede do MAC, à Rua 4, nº 515, Sobreloja, Ed. Parthenon Center, Setor Central, CEP: 74.020-060.

Profissão curador

Guia de Carreiras destaca profissão nesta terça-feira (27).Profissional deve ser crítico, imaginativo e gostar de escrever.
Curador de arte prepara, concebe e monta exposições


Fernanda Nogueira Do G1, em São Paulo
27/07/2010 09h27 - Atualizado em 27/07/2010 14h05

Para ver reportagem:

http://g1.globo.com/especiais/Guia-de-carreiras/noticia/2010/07/curador-de-arte-prepara-concebe-e-monta-exposicoes.html

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Livro sobre curadoria

Foi lançado, recentemente, o primeiro livro de curadoria no Brasil com textos de oito importantes curadores brasileiros.

Curadoria "Sobre o ofício do curador"
Alexandre Dias Ramos (org.)
R$ 46,00
176 págs
Editora Zouk
Coleção Arte: ensaios e documentos

Geradores do valor simbólico da arte?!

Quem é o verdadeiro gerador de valor da arte contemporânea?
O mercado, os museus e grandes centros culturais, os curadores, os críticos, os artistas ... ???

Trechos da reportagem:
"Depois de três edições em Nova York, a feira Pinta abriu as portas ao público, em Londres, esta quinta-feira, com o objetivo de chamar atenção na Europa para a arte moderna e contemporânea latino-americana.(...)
Grandes instituições europeias, como a Tate Modern londrina, o Centro Georges Pompidou de Paris, o Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofia, de Madri, e o Museu de Arte Contemporânea de Barcelona (MACBA) foram convidados a participar do programa de aquisições para museus da Pinta.
O programa, ao qual até agora foram doados 250.000 dólares, consiste em disponibilizar fundos para os museus, que segundo Zalia são "os verdadeiros geradores do valor simbólico da arte hoje em dia" para que eles os equiparem e os invistam em ampliar suas coleções de arte latino-americana."


Fonte:http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5gTpxP_6cxHs55kfroWI46GZxNyow (AFP) – 4 de Jun de 2010

Analise do curador...

" “A mostra (“Outros Prazeres ou Aquilo que Amou ter de Volta - um diálogo com o acervo da Casa das 11 Janelas”) apresenta que a arte é política, nos faz pensar. A arte contemporânea traz questões além do lugar do conforto”, analisa o curador (Orlando Maneschy)."

fonte: http://www.diariodopara.com.br/N-92849-EXPOSICAO+EXIBE+OBRAS+DAS+DECADAS+DE+70+E+80.html
Quarta-feira, 02/06/2010, 08h50
Achei esta entrevista feita pela reporter ANA CECÍLIA SOARES à Professora do Departamento de Artes Visuais da Universidade Estadual de Londrina, MARTA DANTAS, que desenvolve desde 2001 um estudo sobre Arthur Bispo do Rosário, muito interessante.

fonte: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=793329

Trecho da entrevista:

"ANA CECÍLIA SOARES - O que faz de Bispo um artista? Em sua opinião, o que há de mais interessante em sua obra?

MARTA DANTAS - Eu tentarei responder a sua pergunta com outra: o que esperamos de uma obra de arte? Esperamos que ela seja algo diferente, que não seja necessariamente bela mas que de alguma forma mexa com a gente, que gere um movimento de atração ou repulsão; esperamos que ela seja como uma janela aberta que nos convida a uma aventura ao desconhecido e que dela possamos descobrir uma outra forma de conhecimento, sobre o mundo, a vida e as coisas. Tudo isso encontramos na obra de Bispo. Também buscamos em uma produção perceber como o artista trabalha com as questões do seu fazer artístico. Nas artes plásticas, como ele lida com os materiais, como busca determinados efeitos plásticos, entre outros. Os trabalhos do Bispo revelam um conhecimento advindo do trabalho artesanal, do "bricoleur", mas não se restringem a ele. Basta repararmos em suas "vitrines", por exemplo, para descobrirmos o olhar atento de Bispo sobre a potencialidade plástica dos materiais escolhidos, como ele compõe os objetos de maneira cuidadosa visando ao efeito visual. Enfim, tudo isso faz dele um artista. (...)"

Livro de arte contemporânea

Li um artigo no site: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=792390 sobre arte contemporânea onde o autor defende a tese de que a arte contemporânea tem valor segundo as normas do mercado. A entrevista é do dia 29/5/2010 (REPÓRTER: ANA CECÍLIA SOARES).
O livro é: Artes visuais "A grande feira: uma reação ao vale-tudo na arte contemporânea" de Luciano Trigo (R$34,90) 239 páginas. Civilização brasileira.

Copia de trechos da reportagem:
"Trigo acredita que nas últimas décadas aconteceu à subordinação de todo o sistema ao mercado, a ponto de não existir mais, fora dele, qualquer critério para classificar uma obra como boa ou duvidosa.(...)
Todavia, segundo Luciano Trigo, a partir dos anos 80, mesmo essas práticas - que, generalizando, têm uma matriz comum na obra de Marcel Duchamp - foram reassimiladas pelo sistema da arte, passaram a ser ensinadas nas escolas e viraram uma espécie de nova arte acadêmica, sem qualquer voz dissonante ou contrapoder que a conteste.(...)
"Fala-se abertamente que o papel da crítica hoje não é mais julgar, mas meramente testemunhar, portanto ela deixou de ser um contrapoder importante dentro do sistema da arte. Os curadores, com outro tipo de interesse, ocuparam o espaço que era ocupado pela crítica"."
Achei muito interessante esta entrevista.
Olhem só o que Cesare Pergola, fundador da Galeria Belvedere em Paraty, fala da beleza na arte contemporânea. Vale a pena!

Fonte: Terra Magazine
"...Pergola foi convidado a responder às perguntas que ele próprio formulou aos concorrentes.

Terra Magazine - Onde o artista procura a beleza no mundo contemporâneo e globalizado?

Cesare Pergola - Isso é um pretexto para os artistas responderem sobre sua originalidade. A beleza não é mais canonizada, como foi no Renascimento. Ela tinha seu cânone, era universal, todo mundo reconhecia. Hoje, a beleza pode estar no lixo. O cânone da beleza foi devastado, completamente devastado, quebrado. Não existe um valor. Esse era um pouco o tema.

Terra Magazine - Isso vale para o corpo?

Cesare Pergola -O próprio corpo humano sempre derivava desse conceito universal. Essa beleza hoje é muito discutível, dentro do tema da mutação do homem biônico, da transformação do corpo, um tema muito discutido na arte contemporânea: meio homem, meio máquina. Nasce cada um com um pedacinho de máquina dentro de si. E tem o pedaço de corpo refeito, a perna de carbono, não mais a valorização do corpo como era entendido na sua unidade genética. Agora, o corpo é variável. Não tem um ponto.

Terra Magazine - Como a força da beleza pode interferir nas relações sociais?

Cesare Pergola -O sentido da beleza tem um valor ou um peso nas relações sociais e pessoais. Por exemplo, a apresentação da última novela da Globo, "Passione". A abertura (feita por Vik Muniz) tem 20 toneladas de lixo, que escrevem um beijo. E aí se pergunta: um beijo de lixo, o beijo é um lixo ou o lixo é um beijo? O lixo da sociedade pode alimentar um caos positivo, belo.

Terra Magazine - A beleza ainda tem força?

Cesare Pergola -Pra mim, sim. Em qualquer motivação, cada artista vai buscar sua forma de beleza, mesmo nas coisas controversas. Num artista como Francis Bacon, há a figuração de um corpo completamente deformado, liquidificado - e no fundo tem a procura de uma beleza absolutamente pessoal, individual. Tem Andy Warhol, com a lata de sopa e a de Coca-Cola... Depois dele, todo mundo achou que a pop art propunha um cânone de beleza com um produto de massa da cultura popular. Acredito na beleza na base de qualquer pesquisa artística, no campo estético, e até no sexual. Essa busca por mostrar um próprio modo de ver a beleza do universo. Ninguém gosta de ficar na feiúra. Tem uma relação com o bem, enquanto o feio tem um relacionamento com o mal. Quando se apresenta a doença - o que é comum na arte contemporânea -, hospital, operação, sangue, aí tem no fundo uma procura de chegar a um mundo mais lindo, mais belo, mais agradável. Essa apresentação é só uma crítica à falta de beleza e sanidade. "

domingo, 27 de junho de 2010

Exposição: "De corpo inteiro - Darel"

A exposição de Darel, na Caixa Economica, está ótima e vai até 1o de agosto. Junto, está a de Gonçalo Mezza que é bastante interessante pelo seu conceito. Há catálogos que explicam seu trabalho e falam da sua trajetória. São gratuitos e é só pedir.
A Caixa costuma produzir catálogos das exposições. São de excelente qualidade. Vale a pena ler!

terça-feira, 8 de junho de 2010

Jazz e Blues em Rio das Ostras














Aconteceu em Rio das Ostras o Festival Jazz & Blues de 2 à 6 de junho. Foi maravilhoso! Os palcos na Praia da Tartaruga e de Iriri foram os mais atraentes... Os locais são realmente paradisíacos... e os shows nem se fala... Espetáculo!!! Michael "Patches" Stewart e Victor Bailey arrasaram! Maravilhoso!

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Um garoto chato

Recebi esta história e achei surpreendende como algo que parece ter "explodido" e acabado de vez tenha sido uma oportunidade real de recomeço. Leiam. Vale a pena. “Justamente no meu grupo – diz – havia um garoto chato, um menino de 8-9 anos, praticamente sem família, que morava com os parentes que não amava e pelos quais não era amado, chamado AK. Ele era chato, provocava todos, tirava sarro dos meninos judeus, brigava, e assim por diante. Todos nós, principalmente eu que era responsável por ele, chamávamos sua atenção com a palavra e o exemplo, mas certa vez AK passou de todos os limites: bateu num dos colegas, chamou palavrões para os adultos, fez pequenos furtos, e aí foi decretada a sua expulsão. Quando chegou o momento de pôr em prática a condenação, o momento da separação, eu – fala JD –não sei como, desatei a chorar, e a partir daqui aconteceu o segundo nascimento de Ak. Ele também começou a chorar, pediu perdão a todos, devolveu os objetos roubados e a partir daí me seguia sempre por toda a parte no acampamento, como um cãozinho fiel; explicava pra todo mundo que em sua vida jamais tinha visto uma professora chorar pelo seu aluno, chorar – dizendo com suas palavras – pela alma e pela vida de um menino travesso. Era exatamente este o sentido do seu maravilhamento e do seu desejo de se colocar no bom caminho”.
Isto não é o testemunho do que é a caridade (...) um dom de si comovido, até as lágrimas? E esse é o desafio que um olhar assim, comovido até as lágrimas, provoca em qualquer um que se deixe tocar. É isto o humano, deste Ak que reage ao pranto de sua professora. É necessário o humano. Não é necessário fazer tudo certo, é necessária a ferida, é necessário o humano que se deixa tocar pelo pranto da sua professora. Toda a insistência de (...) pôr a tema o humano é justamente para isto, pois que nós não façamos certo Ele sabe disso melhor do que nós. Ele é o Mistério, imaginem se não sabe disso melhor do que ninguém! Mas sem desatar a chorar, também pela comoção de alguém pela nossa vida, não há nada a fazer. E esse é o desafio que a comoção de Cristo introduz, e quem aceitou deixar esse olhar entrar (este é o trabalho porque a pessoa poderia recusá-lo, poderia se fechar ante essa comoção de alguém por ele) poderá ver o resultado na própria vida do que é que faz reacontecer o Mistério em nós. E nos testemunhos se vê muito bem que não há circunstâncias mais ou menos favoráveis ou pessoas mais ou menos aptas: qualquer circunstância, qualquer situação pessoal, pelo fato de existir é uma oportunidade."

Texto de Artur da Távola

Coisas que a vida ensina depois dos 40 ou até 70

"Amor não se implora,
não se pede,
não se espera...
Amor se vive,
ou não.

Ciúmes é um sentimento inútil.
Não torna ninguém fiel a você. Animais são anjos disfarçados,
mandados à terra por Deus para mostrar ao homem o que é fidelidade.
Crianças aprendem com aquilo que você faz,
não com o que você diz.

As pessoas que falam dos outros pra você,
vão falar de você para os outros.
Perdoar e esquecer
nos torna mais jovens.
Água é um santo remédio.

Deus inventou o choro para
o homem não explodir.
Ausência de regras é uma regra que
depende do bom senso.
Não existe comida ruim,
existe comida mal temperada.
A criatividade caminha junto
com a falta de grana.

Ser autêntico é a melhor
e única forma de agradar.
Amigos de verdade
nunca te abandonam.
O carinho é a melhor arma
contra o ódio.
As diferenças tornam a vida
mais bonita
e colorida.

Há poesia em toda a criação divina. Deus é o maior poeta de todos os tempos.
A música é a sobremesa da vida.
Acreditar,
não faz de ninguém um tolo.
Tolo é quem mente.
Filhos são presentes raros.
De tudo,
o que fica é o seu nome
e as lembranças acerca de suas ações.

Obrigado,
desculpa,
por favor,
são palavras mágicas,
chaves que abrem portas para uma vida melhor.
O amor...
Ah, o amor...
O amor quebra barreiras,
une facções, destrói preconceitos,
cura doenças...
Não há vida decente sem amor!
E é certo, quem ama,
é muito amado
e vive a vida mais alegremente
..."

© Artur da Távola - 1936/2008

quinta-feira, 1 de abril de 2010

"A pobreza tem muitas faces, e madre Teresa, tão familiarizada com a pobreza e com a fome material, afirmou certa vez que no mundo ocidental - onde as pessoas parecem ser mais ricas - há uma fome maior e uma pobreza mais severa que aquelas encontras nas ruas de Calcutá: é a pobreza espiritual, a ausência de sentido e a indigência dos que renunciaram ao seu Senhor, fonte, sentido e fim de toda nossa existência." (Zenit)

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Inscrições para Ribeirão Preto

O Programa de Exposições 2010, Artes Visuais, Secretaria Municipal da Cultura de Ribeirão Preto, seleciona projetos de exposições para: MARP - Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi; MARP – Unidade Centro de Convenções Ribeirão Preto e Casa da Cultura de Ribeirão Preto.


Informações no MARP (16) 3635 2421.
Estão abertas as inscrições de projetos para a quinta edição da Bienal de Arte e Tecnologia do Itau Cultural. O tema será "autonomia", relacionado a arte cibernética. As propostas devem ser enviadas até dia 1° de fevereiro. E, a exposição Emoção Art.ficial será de 30 de junho a 05 de setembro de 2010 na av. Paulista, 149, 6° andar, São Paulo.

Mais informações no site do Itaú Cultural.
Lendo um artigo da repórter Ana Cecília Soares, na internet, falando sobre artes visuais, vi o seguinte: "Nos últimos dez anos, as artes visuais vêm sendo marcada pela pluralidade de linguagens, materiais e a ênfase na subjetividade Dos vários enfoques ou perspectivas destinados à arte contemporânea durante os últimos dez anos, a ideia de sua própria dissolução ganha força. Num suspiro sôfrego e voraz, o conceito é ruminado de formas diferentes por diversos autores, como é o caso de Arthur Danto e Affonso Romano de Sant´Anna. (...) Affonso Romano de Sant´Anna ressalta que a produção atual se camufla no vazio complacente de obras insignificantes e alucinações críticas."

Fiquei pensando sobre isto e vejo, não como respostas mas como perguntas que não se deixam calar: Será que o vazio irá tomar conta definitivamente de nós?
O que nos completa? Por que não se dá espaço a completude do ser? E, como seria isto?
Como olhar para si mesmo e ver além de um grande vazio preso a detalhes, adornos tão pouco "úteis", mais vazios do que sem eles?
Ser. Ser. Ser. O que ser? "a ideia de sua própria dissolução ganha força" O que é ser?
Ao invés do ser, ruminamos o vazio. "o conceito é ruminado de formas diferentes por diversos autores" Que conceito?
O que é? Ser? Quem determina?...
Sei que preciso.... mas não sei... ser. crer. viver.


Para ler a reportagem:
http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=710750

Edital para Fundação Espaço Cultural da Paraíba 2010

A Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc) abriu inscrição para artistas interessados em concorrer ao Edital de Ocupação da Galera Achidy Picado 2010. As inscrições são gratuitas e vão até o dia 31 de janeiro na galeria (fone 83-3211-6272) ou pelos Correios.
O edital é aberto a artistas brasileiros e estrangeiros residentes no Brasil. Ele está disponível no site da Funesc (
www.funesc.com.br ) e vai selecionar sete propostas. Cada artista pode inscrever até duas propostas, uma individual e outra coletiva.
Os selecionados receberão um pró-labore bruto de R$ 1 mil. Aos artistas de fora, a Funesc vai custear hospedagem e alimentação por até três dias, para participação na montagem, divulgação e abertura da mostra. Cada trabalho ficará exposto por 30 dias e o artista irá se comprometer a doar uma de suas obras para o acervo da Funesc.